Facebook Twitter
Área Restrita, acesse aqui.        Fone: (13) 3854-2389

Sobre Pagras: Ratos:

Membro de uma grande ordem de mamíferos, Rodentia, com cerca de 1.700 espécies. Poucos são maiores do que o esquilo, embora o maior de todos, a capivara sul-americana, seja do tamanho de uma ovelha.

Os roedores são mamíferos primitivos; sua compleição corporal é muito parecida com a dos primeiros mamíferos. São encontrados em todas as partes do mundo, excetuando-se a Antártida.

Ocupam principalmente nichos terrestres, embora alguns, como o castor e o ratão-do-banhado, sejam aquáticos.

Muitas espécies adaptaram-se a hábitats criados pelo homem nas cidades, onde constituem uma ameaça à saúde pública pela transmissão de doenças, como a leptospirose, peste bubônica, tifo murino, febre por mordedura.

São três as principais espécies consideradas pragas nos centros urbanos, Rattus rattus (rato de forro, rato preto), Rattus norvegicus (ratazana, cuiara, gabiru, rato de esgoto), Mus musculus (camundongo).

Transmissão

Os roedores encontram, principalmente, no lixo doméstico o seu alimento. Embora dêem preferencia a alimentos que estão em condições de serem ingeridos, hoje podemos afirmar que são pouco seletivos no caso de escassez de alimentos, alimentando-se desde alimentos em bom estado até restos de em decomposição (são considerados onívoros, isto é, alimentam-se de tudo). Nas áreas urbanas encontramos três espécies de ratos: Rattus norvegicus (ratazana, cuiára, rato de esgoto), Rattus rattus (rato preto, rato de forro, rato de telhado) e Mus musculus (camundongo), sendo estas consideradas as responsáveis pela transmissão de várias enfermidades, podendo ser por transmissão direta como a febre por mordedura ou somente agindo como agente no caso da Peste Bubônica, transmitida pela pulga do roedor infectado.

Doenças

Leptospirose: Nome genérico de um grupo de doenças infecciosas transmitidas pelas bactérias leptospiras, como a icterohaemorrhagiae, a mais freqüente e conhecida, a pomona, a canicola e a autumnalis, entre outras. A transmissão é feita pelo contato direto com os animais infectados ou com a água contaminada por sua urina. Os principais transmissores são o rato e outros roedores, os roedores silvestres também podem transmitir doenças que infectam animais domésticos e o homem. O período de incubação da leptospirose varia de dez a 19 dias. É comum o registro de surtos da doença após enchentes. Os sintomas da leptospirose, que duram de alguns dias a três semanas, são febre, calafrios, dor de cabeça, intenso mal-estar, vômitos, acentuada dor nos músculos e conjuntivite. Mas pode apresentar-se assintomática ou ainda com extrema gravidade (forma clínica conhecida por doença de Weil), caracterizada por um quadro de hemorragia disseminada e falência renal que pode levar à morte.

Peste bubônica ou Pneumonica: Popularmente conhecida por peste negra a Peste bubônica ou pneumonica é causada pela bactéria Pasteurella pestis. O roedor neste caso serve somente como hospedeiro sendo o agente mecânico a pulga ao alimentar-se do sangue do animal contaminado (ao picar o animal) “suga” a bactéria para seu trato digestivo e ao picar o homem o infecta com a mesma. Esta enfermidade também pode ser transmitida de pessoa para pessoa. A doença é caracterizada por febre, calafrios, vômito, diarréia e a ocorrência de nódulos linfáticos inchados. Ocorrem ainda hemorragias internas que formam hematomas sob a pele do paciente, deixando-a enegrecida.

Tifo murino: O tifo murino ou tifo endêmico é uma doença infecciosa provocada pela Rickettsia typhi (por vezes chamada R. mooseri), O tifo murino está associado à presença de ratos (Rattus rattus e Rattus norvegicus) e às pulgas dos ratos (Xenopsylla cheopis); é detectado em todo o mundo, principalmente nas zonas portuárias. Os principais sintomas caracterizam-se por: por febre alta e constante, mal estar e debilidade (fraqueza do corpo)

Prevenção

– Limpar diariamente, antes do anoitecer, os locais de refeições e preparo de alimentos,
– Determinar um local comum para refeições e colocar os restos de alimentos em recipientes fechados,
– Recolher os restos alimentares em recipientes adequados, preferencialmente, sacos plásticos, que deverão ser fechados e recolhidos pelo serviço de coleta urbana,
– Colocar sacos fardos e caixas sobre estrados com altura mínima de 40 cm, afastados uns dos outros e das paredes, deixando espaçamentos que permitam uma inspeção em todos os lados,
– Manter ralos e tampas de bueiros firmemente encaixados,
– Buracos e vãos entre telhas devem ser vedados com argamassa adequada